novembro 27, 2018

Release

A 23a Edição do Trem do Samba será realizada no dia 1 dezembro de 2018, sábado. O evento faz parte do calendário oficial da cidade do Rio de Janeiro e é a maior celebração anual do Dia Nacional do Samba, em 2 de dezembro, realizando uma viagem de trem da Central do Brasil ao bairro de Oswaldo Cruz, considerado o berço do samba carioca, localizado na região da Grande Madureira, subúrbio da cidade. Além disso, promove a valorização do patrimônio imaterial da região. A festa conta com um palco principal montado na Estação de Trem Central do Brasil e outros três, situados no bairro de Oswaldo Cruz.

O evento, idealizado pelo artista Marquinhos de Oswaldo Cruz, este ano, homenageia os COMPOSITORES, como ser IMORTAL e altamente criativo, pois é o compositor que, com um papel e uma caneta, cede vida ao SAMBA. Pouco depois da metade do século passado, alguns bairros suburbanos acabaram sendo esquecidos em sua localização, justamente porque numa simbólica homenagem levavam nomes de antigos compositores em suas estações de trem, as quais foram totalmente desativadas.

O SAMBISTA VIRÁ ETERNO POR SUA OBRA

O Gênesis do Samba com certeza é a composição!
Dessa maneira os compositores se tornam eternos e são transformados, de simples seres, em majestosos sambistas!

A criação do mundo do Samba acontece, simbolicamente, com um papel e uma caneta. Esse ano o Trem do Samba homenageia a quem empresta o sopro de vida ao samba, o compositor!

Um pouco depois da metade do século passado, alguns bairros suburbanos foram aos poucos desaparecendo, não somente pelo esquecimento, mas também, pelo ato simbólico do fim das estações que levavam os nomes dos Bairros. Já os Sambistas, elo entre a ancestralidade e o mundo carnal, através dessas composições, são compensados com a imortalidade, pois, seus sambas cantados, darão a eles a condição de eternos.

Esse ano o Trem do Samba homenageará os compositores.

A homenagem será representativa, sem dúvida, em virtude do grande número de POETAS que temos. Juntamos duas grandes perdas que tivemos esse ano, D Ivone Lara e Wilson Moreira, mais a passagem de 10 anos da morte de Luiz Carlos da Vila e os 40 anos da Morte de mestre Candeia. Assim, serão homenageados, dando nome aos 4 palcos do Trem do Samba.

Marquinhos de Oswaldo Cruz. Cantor, compositor e idealizador do Trem do Samba.